BIO

band ENGLISH VERSION

Letícia Coura é mineira.
É cantora, compositora, atriz e preparadora vocal, e toca violão e cavaquinho.

Lançou dois discos solo: Bam Bam Bam (Dabliú Discos, 1998) tem composições próprias e de autores como Pixinguinha, Carmem Miranda, Lupicínio Rodrigues e Monsueto; e Letícia Coura canta Boris Vian (Dabliú Discos, 2001) traz versões suas em português para canções do poeta e trompetista francês Boris Vian, mescladas com as originais em francês. Lançou também dois discos em parceria com a cantora e compositora Adriana CapparelliAo Contrário e Aos Contrários (Tratore, 2012) – e desenvolveu ainda trabalho em parceria com a banda alemã Schnaftl Ufftschik, com apresentações na Alemanha e na Áustria.

Em 1999, criou com Beto Bianchi e Vítor da Trindade o trio Revista do Samba, com quem gravou cinco álbuns: Revista do Samba (Traumton Records, 2002 – Alemanha – e Rob Digital, 2003 – Brasil), Outras Bossas (Traumton Records, 2004), Revista Bixiga Oficina do Samba (Atração Fonográfica, 2006 – Brasil – projeto patrocinado pela Petrobras), Hortênsia du Samba (Les Disques Bien, 2011 – em parceria com a banda francesa Tante Hortense), e Samba do Revista (Tratore, 2014 – projeto autoral realizado através do ProAC SP). O trio se apresentou no Brasil e em festivais na Europa, Estados Unidos, Oriente Médio, Ásia e África, com destaque para APAP (Nova York – EUA), Stimmen (Alemanha), Val Latina e Parque La Villete (França), Minta (Tel Aviv – Israel), World of Performing Arts Festival (Lahore – Paquistão), Festival Mawazine e Festival des Musiques du Désert (Rabat e Saara – Marrocos), e Brazilian All Stars Festival e Coffee Festival (Seul e Gangneung – Coreia do Sul).

Desde 2001, integra a Companhia Teatro Oficina Uzyna Uzona, de José Celso Martinez Corrêa, com a qual já se apresentou em diversas cidades brasileiras e ainda na Alemanha, Croácia, Portugal e Bélgica, e participou dos espetáculos:

  • Bacantes, de Eurípedes;
  • Ham-Let, de Shakespeare;
  • Os Sertões, adaptação do clássico de Euclides da Cunha;
  • O Banquete, adaptação do clássico de Platão;
  • Estrela Brazyleira a Vagar, Cacilda!!, de José Celso Martinez Corrêa;
  • Taniko, de Zeame;
  • Macumba Antropófaga, a partir de Oswald de Andrade;
  • Mistérios Gozósos, a partir de Oswald de Andrade;
  • Odisseia Cacildas, de José Celso Martinez Corrêa;
  • Acordes, de Bertolt Brecht; (todas com direção de José Celso Martinez Corrêa)
  • Cypriano e Chan-ta-lan, de Luís Antônio Martinez Corrêa e direção de Marcelo Drummond.

Recebeu o Prêmio Shell de Teatro 2003 – Música, ao lado de outros compositores, pelo trabalho em Os Sertões – A Terra (direção de José Celso Martinez Corrêa) e foi indicada no ano seguinte ao Prêmio Shell de Teatro 2004 – categoria especial, pela Direção e Percepção Musical do Coro no espetáculo Os Sertões – O Homem – do nascimento à revolta.

Sua estreia no teatro em São Paulo foi cantando na peça I Love – Maiakovski e Lili Brik, direção de Beatriz Azevedo, com quem depois trabalhou na Ópera Urbana Zucco, com tradução sua do texto de Bernard-Marie Koltès (Teatro de Bernard-Marie KoltèsEditora Hucitec, 1995). Fez, ainda, a direção musical dos espetáculos O Fantasma do Circo, de Verônica Tamaoki, e Retábulo da Avareza, Luxúria e Morte com o grupo Os Satyros, com direção de Rodolfo García Vázquez.

Desde 2015 vem trabalhando na criação do Bloco Pau-Brasil, musicando e encenando poemas de Oswald de Andrade. O bloco saiu em cortejo pelas ruas do Bixiga, integrando a programação oficial do Carnaval de Rua de São Paulo de 2016, e segue em processo de criação coletiva. É também puxadora do Bloco da Cambinda, no Embu das Artes (SP), desde 2011.

*foto Claire Jean

Compartilhe!Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn